Produtora



Fundada em 7 de maio de 1963, a L.C. Barreto Produções Cinematográficas possui uma trajetória tão rica que até se confunde um pouco com a história do cinema no Brasil e da América Latina. São mais de 80 produções e coproduções de curta e longa-metragem, realizadas dentro de rigorosos padrões técnicos e artísticos. Muitos deles são considerados parte do patrimônio artístico e cultural do nosso país, como: “Vidas Secas”  e “Memórias do Cárcere”, de Nelson Pereira dos Santos; “Dona Flor e Seus Dois Maridos” e “O Que é Isso Companheiro?” de Bruno Barreto; “Bye Bye Brasil”, de Cacá Diegues; “O Quatrilho”, de Fábio Barreto; entre outros.

A L.C. Barreto sempre se preocupou com a evolução tecnológica e qualidade industrial de seus filmes e nesse sentido foi responsável pela elevação do nível técnico do cinema brasileiro. Nos anos 70 importou modernas câmeras e gravadores que possibilitaram a realização de filmagens com som direto, além de introduzir a edição de som em nosso país. Os filmes realizados pela produtora tiveram, ao longo da sua história, uma ambição de comunicação com o público, alcançando grandes momentos na história da relação com as audiências populares do cinema brasileiro.

Em 1978, a L.C. Barreto fundava a Carnaval Filmes Inc. com sede nos Estados Unidos, destinada à distribuição, o que concretizou a sua entrada no mercado norte-americano. Buscando vôos cada vez mais altos, associou-se à New Yorker Films e à Winstar – Fox Lorber, Pandora, Miramax e Sony Classics  para a distribuição internacional de suas obras, consolidando sua presença no mercado internacional.

Consagrada no Brasil e no exterior, em sua trajetória cinematográfica está uma das adaptações mais bem sucedidas do escritor Jorge Amado e um dos filmes chaves da história moderna do cinema brasileiro que durante 34 anos, com 10.735 milhões de espectadores, foi o maior sucesso de bilheteria do cinema brasileiro – a obra “Dona Flor e Seus Dois Maridos” (1976), de Bruno Barreto. O filme é a maior referência cultural do nosso cinema no mundo e foi exibido comercialmente em mais de 80 países. Além de duas produções indicadas ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro: “O Quatrilho” (1996), de Fábio Barreto, e “O Que é Isso Companheiro” (1998), de Bruno Barreto.

Diversidade, inovação, criatividade e reconhecimento internacional fazem  da
L.C. Barreto uma empresa atualizada com as demandas do dinâmico mercado cinematográfico e audiovisual. Sempre presente na formulação de políticas para a produção nacional, tem sido líder da busca de soluções para a auto sustentabilidade da indústria cinematográfica no país.

'